23.3.06

Diario da Campanha - Resultado

Well, obviamente não fui eleita. Inocente da minha parte pensar que qualquer tentativa de falar sobre política numa universidade de artes, aonde o egocentrismo prevalece acima de tudo, ia fazer alguma diferença. No fim das contas, os candidatos mais populares (leia-se que estavam a mais tempo na universidade, e do sexo masculino), e menos qualificados, levaram a maioria dos votos.

Mesmo eu tendo passado o dia de ontem inteiro no café da minha faculdade tirando vantagem da conexão wireless pra conseguir votos na hora (e mesmo eu tendo comprado uma porrada de votos com chocolate :P) , não funcionou. Rolou até agressão por parte das amigas do meu adversário maior, me chamando de "fucking foreigner." Oh, well. Eu sabia que, sendo uma estrangeira tentando roubar emprego de britânico, ia dar nisso.

Na verdade, eu já tinha noção de que minhas chances eram pequenas, e eu fiquei de boa na hora que saiu os resultado - fui até dar um abraço no vencedor, que quase se debulhou em lágrimas pedindo desculpas pela agressão. Segundo ele, eu já era uma vencedora por ter aparecido do nada (quando todos os candidatos estavam envolvidos com o grêmio de alguma maneira no passado), feito uma campanha enorme e dado minha cara pra bater num país que não é o meu. Ok, aceito suas desculpas.

Mas por mais que eu esteja satisfeita comigo mesma por ter batalhado até o último minuto, mesmo não tendo vencido, eu ainda fiquei com a pulga atrás da orelha com um fator que contribuiu pra definir quem venceu: foram todos homens (a não ser nas posições onde só tinha mulher concorrendo). Meu pai disse no telefone 'Thais, pode ter certeza que mulher nenhuma vai votar em você." Meu namorado disse "Claro que eles ganharam, universidade de artes só tem mulher." No caso da posição pra presidente, foi até ridículo: as duas meninas concorrendo junto com o menino tinha um portfolio muito mais impressionante, uma tendo estudado política e a outra tendo trabalhando pra união desde o começo da faculdade. Não, mas quem ganhou foi o "dude", o bonitón descerebrado que faz a recepção das calouras todo ano uma experiência inesquecível. Na minha categoria foi ridículo: o menino estava claramente atrás do dinheiro, e na equipe dele só tinha mulheres - e foram elas as barraqueiras, as que vieram comprar briga comigo como se eu tivesse querendo "roubar o homem" delas. Medo.

Chega a ser revoltante. Quando contei isso pro meu pai ontem, ele disse: "Thais, não existe nenhuma mulher em cargo de diretoria aonde eu trabalho - por mais que elas sejam qualificadas. Homens tendem a ser mais solidários um com o outro e a gente acaba se ajudando, mulher não. Elas tem ciúme umas das outras, preferem criar obstáculos e dar suporte prum homem na mesma posição."

No fim, todo mundo sai perdendo. As mulheres mais do que homens - como sempre. Triste isso.

2 comments:

zora said...

I WOULD DEFINITELY VOTE FOR THE "FUCKING FOREIGNER"- MOST CERTAINLY, POSITVELY VOTED.

Lua said...

Bizarro...
Aqui a chefe do meu departamento é mulher assim como a coordenadora do curso...
A coordenadora do próximo encontro nacional de estudantes tbm. Eu consigo pensar em várias mulheres p/ ajuda-lá ou substitui-la, mas não consigo pensar em nenhum homem...